segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Planear (faltam 364 dias)

Ok, a ressaca e as celebrações já passaram, por isso agora é tempo de planear como vou atingir os objectivos a que me propus.



Primeiro, a contagem decrescente foi acrescentada ali na barra lateral :)

Então vamos lá aos planos:

* Deixar de fumar

- Esta vou marcar para  mais cedo possível, porque já foram feitas tentativas antes e tenho perfeita noção que pode ser necessária mais que uma. Começar antes de uma semana de noite (como é esta) é condenar a tentativa ao falhanço, por isso vou agendar para Sábado, dia 29 de Agosto. Planeio que o meu último cigarro seja fumado neste dia, quando terminar o meu turno, e depois acabou.

* Atingir marcas nos básicos

- Em vez de reinventar a roda, vou pegar num plano que já muita gente seguiu e que já funcionou também para muitos: o Starting Strength. Para começar parece-me a melhor abordagem, quando vir que já não estou a tirar proveito do plano, logo se vê (o próprio plano contém modificações a contar com esta eventualidade).

* Marcar consulta de ginecologia

- Reservo esta para o início de 2016... Antes de Fevereiro!

* Desenvolver para Windows 10

- Pretendo começar a dar uma vista de olhos nisto algures entre o fim de Setembro e o início de Outubro.

* Atingir os 20% de massa gorda

- Neste ponto, a caminhada começa hoje... Acima de tudo, quero comer limpo. Bem sei que o IIFYM é mais fácil e não será mais prejudicial para a saúde, alguns estudos mostram-no. Mas eu quero mesmo mudar a minha mentalidade relativamente à comida, não quero poder comer um gelado por dia se o conseguir encaixar nas macros, quero comer um gelado muito esporadicamente e com a mentalidade de ser uma excepção. Quero habituar o meu palato a comida limpa para tentar minimizar a sensação de estar a fazer dieta e a tentação de mandar a mesma às urtigas e enfardar porcaria, porque sabe bem melhor. Quero que a fruta saiba a sobremesa!
Além de que estou fartinha de contas e tenho alguma fé que, comendo limpo, estas sejam desnecessárias (vou começar dessa forma, sem contar, depois se não estiver a resultar logo conto, para perceber o que falha).
Vou fazer a minha minha alimentação com base nalguma "versão modificada" de paleo ou na original mesmo, ainda não sei... Estou a explorar e o dia de hoje vai servir mesmo para isso, tentar estabelecer algumas regras, recordar um pouco o que já li e os argumentos associados, e encontrar um equilíbrio entre os benefícios de cada versão e aquilo que me parece que eu consiga manter.
>> EDITADO: Depois de alguma investigação, optei pela versão do Primal Blueprint (Mark Sisson).


* Correr 10 km em menos de uma hora

- Vou introduzir algum cardio. As caminhadas vão estar no dia a dia, nos dias de treino de força, se tiver tempo e aguentar, vou tentar introduzir algum hiit, e como pretendo treinar 3ª, 5ª e Sábado, no Domingo vou tentar introduzir alguma corrida. O objectivo também não é exactamente difícil, pelo que penso que o descrito seja suficiente.

* Restantes objectivos

- Estou convencida de que serão consequência directa dos anteriores. Vou controlando!

Agora vamos às leituras e à lista de compras... :)

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

A hora má: o veneno da madrugada

Last but not least, terminei hoje A hora má: o veneno da madrugada, de Gabriel García Márquez.

Quanto a este, não há muito a dizer, ainda estou para ler o primeiro livro deste autor que não goste.

Como é habitual, um cruzamento entre a narrativa crua de acontecimentos e o significado subjacente em cada palavra trocada entre as personagens, mais ou menos directo.

Numa terreola da América do Sul em que ninguém acredita na mudança trazida pela última revolução, e precisamente por isto, poucos expressam abertamente a sua descrença, começam a ser afixados, diariamente, pasquins que denunciam situações que já correm as bocas do mundo, mas que parece que ficam oficializadas no momento em que são escritas por autores anónimos e afixadas nas portas das vítimas.

O que parece ser o tema central da trama, acaba por ser absolutamente secundário e, quando muito, uma excelente desculpa para servir outros interesses e provar que a população estava certa o tempo todo.

Um final que me deixou a magicar mas que ainda não tive oportunidade pra investigar de forma mais aprofundada, não foi nem de perto suficiente para diminuir o meu sentimento em relação à obra.

Recomendo!

A Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho

Este pequeno livro de contos, que me ocupou uma das manhãs nubladas destas férias, valeu cada minuto!

A Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho é uma compilação de seis contos (o primeiro dos quais homónimo) escritos por Mário de Carvalho.

Carregados de surrealismo, todos eles deixam o leitor envolvido e curioso desde a primeira palavra, ansioso para decifrar a causa de tais estranhos acontecimentos e o desfecho de cada história.

Lembrou-me um misto de Poe com Bulgakov. Gostei mesmo, mesmo muito e recomendo vivamente!

(Fiquei especialmente contente por saber que este livro faz parte do Plano Nacional de Leitura, sendo recomendado no programa de português do 8º ano para leitura orientada na sala de aula. Muito bem escolhido!)

Como é linda a puta da vida

Outro dos felizes contemplados destas férias foi o Como é linda a puta da vida, do Miguel Esteves Cardoso.

É uma compilação de crónicas e também gostei bastante. Neste caso, trata-se de algo mais pessoal. Há vários traços de personalidade do MEC, que as crónicas reflectem bastante bem, com os quais me identifico bastante, nomeadamente a descontração, o optimismo e a gula, senhores, a gula!

Como seria de esperar, os assuntos são bastante variados, desde a família à sociedade, incluindo a melhor forma de seleccionar um bom restaurante de peixe!

Custa-me, num livro deste género, afirmar que recomendo. Na verdade, recomendo caso gostem do MEC ou se identifiquem com o que refiro acima.

O que posso afirmar é que gostei. Bastante.

A dieta do paleolítico

Um dos livros que li nestas férias foi A dieta do Paleolítico, do Dr. Loren Cordain. Era um assunto que eu já tinha explorado bastante e pareceu-me que estava na altura de ler livro, de forma a obter a informação completa e de uma forma concentrada.

Não sendo uma profissional da área, dificilmente tenho argumentos para validar ou contrariar o que é apresentado, no entanto parece-me fazer bastante sentido.

A dieta em si, é uma dieta muito simples: carnes magras, ovos, vegetais, fruta e ocasionalmente mel. Há alguns alimentos que, não fazendo parte da dieta real dos nossos antepassados, são permitidos, como é o caso do vinho, por existirem estudos que indicam o seu benefício (a menos nos casos de pessoas com algum tipo de doenças).

É com toda a sinceridade e consciência, reforço, da minha fala de argumentos, que questiono a "abolição" total do sal e dos tubérculos, bem como a limitação às carnes magras. Compreendendo que a segunda restrição está relacionada com o facto dos animais disponíveis na natureza terem uma quantidade de gordura muito inferior aos de criação, no entanto não vejo a necessidade de, no caso da carne, especialmente aves, de caça se remover a pele...

Considero que o livro é uma leitura importante para toda a gente, pois desmistifica alguns dos assuntos relacionados com nutrição que têm sido repetidos até à exaustão, ao ponto de se tornarem quase verdade, apesar de terem muito pouca base científica.

Recomendo a todos os curiosos da nutrição!

Antes dos 35



Com os 34 à porta, impõe-se (não se impõe nada, mas apetece-me), fazer uma lista de objectivos que tenho de atingir antes dos 35.

Aviso já que não me vou sentir culpada se não a completar, nem sequer se não me tiver esforçado o suficiente! Mas eu gosto de fazer listas e de ter objectivos, mesmo que sejam tão voláteis que passado 1 mês já tenha mudado tudo!

Então aqui vai... Antes de fazer 35 anos tenho de:

* Deixar de fumar;
* Chegar aos 130 Kg de Peso Morto;
* Chegar aos 50 Kg de Supino;
* Chegar aos 100 Kg de Agachamento;
* Correr 10 Km em menos de uma hora;
* Atingir 20% de massa gorda;
* Ir à ginecologista e fazer os exames que me passarem;
* Aumentar o colesterol HDL (acima de 70);
* Atingir um batimento cardíaco em repouso inferior a 65 bpm;
* Desenvolver uma aplicação para Windows 10;

Done! :)

Agora é planear... É a parte chata de fazer listas de objectivos! hehehehe

segunda-feira, 6 de julho de 2015

A mulher real está indignada!



Vamos lá ver, eu sou muito a favor da indignação, acho que faz bem uma pessoa indignar-se de vez em quando, até porque é óptimo para aumentar as cargas no ginásio, mas há aí uma corrente mais recente de indignação que me anda a deixar indignada!

Alguns anos de Photoshop e umas quantas mortes devidas a distúrbios alimentares mais tarde, começámos a ver alguma indignação da parte, principalmente mas não só, das mulheres contra a pressão exercida pelos media para que respeitássemos um estereótipo estético que não é acessível à maioria (então para nós, portuguesas, que somos tendencialmente baixinhas, o dito estereótipo tem umas pernas quase da nossa altura...).
Até aqui tudo bem, acho que sim, que devemos tentar proteger as nossas filhas de serem escravas de um processo tortuoso em busca de uma imagem irreal, inatingível e nada saudável, na maioria dos casos. Ainda assim, custa-me engolir que os media tenham mais peso do que o que é transmitido pelos pais, mas não sou mãe, não tive de lidar com esse tipo de problemas e tenho o feeling que deve ser difícil, senão mesmo incontrolável.

Sou muito a favor das campanhas que mostram “a mulher real”, que permitem que vejamos que cada mulher é única, pode ter mais ou menos peso, pode ter sardas, celulite e não é escrava do 86-60-86 nem é um clone que vai aparecendo com maquilhagem diferente.
PORÉM, há que ver o enquadramento da coisa... Para vender roupa, cremes, produtos de maquilhagem, tampões e qualquer outro produto cuja utilização não esteja directamente dependente do estereótipo, poderiam e deveriam ser utilizadas muito mais vezes mulheres que demonstrem a variedade que existe no mundo real... Mas e se o produto vendido for directamente orientado para que se atinjam determinados objectivos estéticos?
A campanha da Protein Word que gerou revolta com o cartaz mostrado abaixo já não me choca tanto...
Pura e simplesmente porque o que está a ser publicitado, como se pode ver no cartaz, são precisamente produtos para a perda de peso... Ora convenhamos que colocar uma pessoa com excesso de peso no cartaz deveria ir contra todas as regras de marketing que alguma vez existiram, certo? Desculpem-me o grafismo, mas era a mesma coisa que nos anúncio da tampax mostrarem uma rapariga com o bikini sujo.
Claro que é questionável o uso da frase, e até foi em parte nisso que se baseou a campanha de revolta, em mostrar que o “beach body” é aquele que tens quando vais para a praia e não aquele que alguém quer fazer acreditar que é o “certo”, mas ainda assim, vejo com muito piores olhos os cartazes do El Corte Inglés ou da Calzedonia que mostram roupa que só assenta daquela maneira a uma percentagem ínfima da população e que fazem a lavagem cerebral de forma muito mais subtil (e perigosa) do que os de uma companhia de suplementos que estão a mostrar uma determinada imagem como suposto resultado directo do uso dos seus produtos. E pronto, com meio cérebro a funcionar, já todos sabemos que a primavera é a altura em que somos bombardeados com as campanhas dos produtos milagrosos, porque é muita chato ir ao ginásio e fazer dieta o ano todo e entretanto o Verão está aí a chegar! É a altura certa para vender a banha da cobra!
Ainda assim, gostei de alguns dos resultados da “contra-campanha”, foram criados cartazes bem engraçados com mulheres que mostram OS SEUS beach bodies, mesmo não estando estes de acordo com o que, supostamente, seria aceite :)

E por fim, surge a indignação que mais me indigna, que não sei se é recente ou se eu é que só dei por ela agora, que é a indignação do pessoal fit/magro contra a indignação dos indignados com os media que nos enchem de complexos de inferioridade (se deixarmos que o façam)... Passo a explicar.
Estou nalguns grupos relacionados com o fitness no Facebook e sigo algumas páginas e Twitters sobre assuntos relacionados e ultimamente, cada vez que aparece uma campanha em que se mostram mulheres que não encaixam nos estereótipos como esta toda a gente se vai aos arames e fica super ofendida porque supostamente, para defender que a mulher real não se encaixa neste estereótipo, estão a “mandar a baixo” as mulheres que encaixam e a promover uma imagem “pouco saudável”... Eu fico parva com isto...

1)      Se as mulheres que se encaixam no estereótipo se estão a sentir ofendidas com uma minoria quase insignificante de campanhas que mostram outro tipo de corpo, como acham que todas as outras mulheres se sentem há ANOS a serem CONSTANTEMENTE BOMBARDEADAS com a imagem, para muitas inatingível, da “mulher perfeita”??? Eu não sou a favor que se usem frases tipo “A mulher real tem curvas” e tretas do estilo... A mulher real tem o que tem, e se não tem curvas não deixa de ser real por isso, mas por favor... Nós, que não nos encaixamos na mulher ideal, aguentamos anos dessa merda em massa e agora quem se encaixa (ou os rebarbados que acham que os catálogos de roupa interior são direccionados a eles e não às mulheres que querem comprar roupa interior) está muito ofendido porque há meia dúzia de campanhas quase underground, tirando as da Dove e mais uma ou outra, que mostram uma coisa diferente e mais próxima da maioria (até porque não se centram só numa coisa, mas mostram várias)??? Poupem-me...

      2)      Pouco saudável? Porque a imagem normalmente apresentada é de gente mega saudável? Porque mostrar saúde é o objectivo das campanhas da Victoria Secret? Ó pá, menos... Onde é que estão as análises e os exames médicos, para vermos se a menina de 1.80m e 48Kg é mais saudável que a de 1.60 e 70Kg? Não há? Então não estamos a falar de saúde, desculpem lá! “Olha as nossas modelos com os triglicéridos tão baixos!”, “De facto, gostava de ter a glicemia em jejum desta rapariga...”... Certo...

E pronto, era isto... Já deitei cá para fora a minha indignação contra a indignação dos que se indignam com a indignação dos outros... Oh the irony!

quarta-feira, 24 de junho de 2015

A estética...


Como já disse antes, apesar de apreciar um corpo fit e de me agradar a ideia de poder atingir um, não me motivo a treinar com esse objectivo. O que vou fazer? Odiar-me por não o ter e torturar-me para o conseguir e depois ficar frustrada por desmotivar e começar de novo?

Naaa... Atenção, não há nada de errado em ter um objectivo estético e trabalhar para ele, mas é preciso apreciar o que temos em cada momento, senão a caminhada transforma-se num calvário! 

Love yourselves! :)

terça-feira, 23 de junho de 2015

Uma espécie de cheesecake fit

Hoje é um post do fitness!

Fiz uma experiência que tinha todo o potencial para saír uma granda javardice mas por acaso ficou bem boua!

Ingredientes para 6 porções:
- 100 g Instant Oats (My Protein)
- 30 g Manteiga de caju (My Protein)
- 400 g Quark 0% Linessa (Lidl)
- 75 g Impact Whey Protein Irish Cream (My Protein)
- 5 g folhas de gelatina (podia ter sido um pouco  mais)
- 270g  Abacate
- 150g Frutos vermelhos à escolha
- 2 colheres de sopa de Xarope  de Mirtilo 0 cals (Walden Farms)
- Água qb

Preparação:
Amassar as instant oats com a manteiga de cajú e um pouco de água e estender numa forma de ir  ao forno. Levar ao forno bem quente uns minutos (ir vendo a consistência e retirar quando estiver tipo  bolacha).
Colocar as folhas de  gelatina de  molho durante 7 minutos e derreter em água quente.
Colocar tudo menos os frutos vermelhos e o xarope numa liquidificadora e reduzir a creme (na bimby, 1'3'', vel7). NOTA: A gelatina deve ser colocada primeiro e depois as coisas frias por cima.
Cobrir a base com o creme, colocar o  xarope  por cima e enfeitar com os frutos vermelhos.
Levar ao frigorífico umas horas e depois OMNOMNOMNOM!!!!

Info nutricional (por porção):
245 Kcal
10g G
20g HC
20g P

Não  se  pode  dizer  que  seja  propriamente light... Mas para um lanche, não está nada mau!

Base antes de ir ao forno

Já prontinho para o frigorífico

OMNOMNOMNOM
OUTRA NOTA:  Com o tempo, vai ficar  acastanhado por causa da oxidação do abacate... Disseram-me  que com umas gotinhas de limão isso fica resolvido... É experimentar...

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Bocas no facebook...

É a coisinha mais parva que existe!

Lembra-me aqueles tempos do secundário em que me deixavam mensagens escritas na mesa cheias de conteúdo, tipo "Guns, eu sei onde onde é que tu moras.Quando passares na minha rua tás fodida! Ass: EU", só que ao contrário, em vez de terem o destinatário, têm só o remetente, o que ainda é mais parvo porque provavelmente o destinatário não vai receber a mensagem... Se for cá dos meus, não recebe de certeza, porque eu sou uma gente que gosta cá pouco de energias negativas, mesmo que sejam em formato digital, portanto se começo a ver que alguém insiste muito em palavras como "inveja" ou "falsidade" ou tem a estranha tendência para fazer comentários provocadores relativos a terceiras pessoas genéricas, pimba, "Hide from timeline"!

A sério, é preciso interiorizar que mandar alguém para o caralho alivia muito mais do que fazer um post ambíguo e passar os dias seguintes a tentar ler nas entrelhinhas dos posts da pessoa a quem o primeiro era dirigido...

Sejam old school! Usem vocabulário colorido, insultem directamente mas não spammem a timeline do pessoal, pá! (A não ser que seja o vosso chefe... Nesse caso, calcem os All Star e vão fazer peso morto que também alivia!)

É que no fundo, no fundo...


Mas não deixa de ser uma seca ter de estar a fazer scroll duas horas para ler cinco posts de jeito!

Obrigadinha, sim?