domingo, 14 de janeiro de 2018

#14 Mais do que sobrevivência

Começo a sentir que não tenho como único objectivo sobreviver a cada sessão de ginásio! #progress

sábado, 6 de janeiro de 2018

#6 CrossFit experience

Hoje foi dia de experimentar coisas novas, desta feita, o tão falado CrossFit.
Ora bem, não posso dizer que a experiência não tenha sido boa, mas estou tão fora de forma que tive de fazer todos os exercícios em "easy mode", o que poderá não me ter dado a experiência completa.
Ainda assim, valeu a pena! Sinto que estou a voltar ao ritmo aos picómetros, mas no sentido certo!

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

#5 I'm going hungry

E não há cá greve de fome nenhuma, é mesmo só a dieta... Se calhar devia encontrar uma causa qualquer e fazer mesmo greve de fome, a ver se ajudava com a motivação!

#4 Habit

A primeira é fácil! Ah e tal, vou ao ginásio... O que custa é continuar! E hoje foi o primeiro passo nesse sentido, apesar do sono, do frio e das dores de ontem! #cabidela

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

#3 Reality check

Nada como uma aulinha de grupo no ginásio para fazer cair a ficha... Era provavelmente uma das pessoas mais novas na aula e claramente a que estava em pior forma...

Shame.

Considerando as metas a atingir, não há margem para errar!

#zimboraleixoes

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

#2 Falsa partida

Hoje tinha consulta de nutrição, mas ligaram-me a dizer que a nutricionista tinha tido um imprevisto... Eu também tive um imprevisto, que foi a ressaca não ficar curada num dia, e fui trabalhar! #naoqueremfazernenhum

segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

#1 A ressaca

Era fixe dizer que o primeiro dia de 2018 tinha sido super inspirador... Não foi. Foi passado no sofá, em pijama, com algumas corridas para enfiar a cabeça na sanita e rejeitar as miseráveis tentativas de comer qualquer coisa.

Bom, a partir daqui só pode melhorar!

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Long time, no see!

Ohhhh, I... Ohhh I'm still alive! Pois péce que sim!

Ora bem, assim muito por alto, da última vez que cá meti os cotos estava a fazer uma contagem decrescente para os 35, tinham os 34 acabado de chegar... Ora os 35 já vieram e já se instalaram confortavelmente, sem sequer pedir licença... Uma vergonha!

Vamos então rever a lista de obectivos? Vamolá! De trás para a frente, da mesma maneira que eu como a salada primeiro e deixo o bife para o fim!

* Correr 10 km em menos de uma hora
- No, no, no mr. reader... We no run... We only run enough to participate na mini da ponte uma vez por ano e chega bem!


* Atingir os 20% de massa gorda
- Não, MAS recordes foram batidos... Devo andar algures nos 50%... Vá, entre os 40 e os 50%... Portanto, perto... Muito perto... Só que não!

* Desenvolver para Windows 10
- Tao perto também... Mentira, não olhei sequer para isto!

* Marcar consulta de ginecologia
- Esta até tenho vergonha... Estive quase... Só que cenas... Não sei, não me ocorre nenhuma desculpa fixe.

* Atingir marcas nos básicos
- Completamente... Marcas mínimas... Já nem me lembro de alguma vez ter feito menos de 45 de agachamento que é o que estou a fazer agora, por isso... Sim... Marcas...

* Deixar de fumar
- Esta estava agendada para 29 de Agosto e acabou por acontecer a 31 de Agosto... Do ano seguinte, mas isso não interessa nada... Um horror... Odeio não ser fumadora a grande maioria do tempo! Ao início, apesar dos cravings lixados ainda desbundava de cenas como não estar atenta a ter ou não de parar na bomba para comprar tabaco... Agora nem isso, já não tenho aquelas vontades horríveis, mas também já não estou excitada com a ideia de não ser fumadora, e não sei o que é pior... Entretanto perguntei ao meu pai, que não fuma há cerca de 30 anos, afinal quando é que ia deixar de me apetecer fumar, porque estou nisto há dois meses e meio e népia... Resposta reconfortante "Ah, isso é só os primeiros dois anos!"... Obrigadinha, pai!

Portanto, bueda planos e objectivos e coiso... Worked like a charm! Só que não.

Entretanto, assim de novidades... Fui promovida, agora sou chefe, o que significa que já não faço turnos nocturnos... Ou seja, à laia de resumo: tenho mais responsabilidades, tenho de aturar pessoas, tenho de o fazer todos os dias porque já não tenho descansos nem semanas a trabalhar à noite e ganho consideravelmente menos. Fuckin' yay!

Entretanto resolvi deixar-me de merdas e voltar ao ferro... Tenho muito terreno para recuperar, mas com tanta cortesia e mimimi que tenho de aguentar o dia todo (porque ai que as pessoas têm de estar motivadas, ai que não lhes podemos dizer que são incompetentes, mesmo que não façam nada a não ser fazer os outros perder tempo) preciso mesmo de um bocadinho de ferro para manter a mínima badasserie!


segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Planear (faltam 364 dias)

Ok, a ressaca e as celebrações já passaram, por isso agora é tempo de planear como vou atingir os objectivos a que me propus.



Primeiro, a contagem decrescente foi acrescentada ali na barra lateral :)

Então vamos lá aos planos:

* Deixar de fumar

- Esta vou marcar para  mais cedo possível, porque já foram feitas tentativas antes e tenho perfeita noção que pode ser necessária mais que uma. Começar antes de uma semana de noite (como é esta) é condenar a tentativa ao falhanço, por isso vou agendar para Sábado, dia 29 de Agosto. Planeio que o meu último cigarro seja fumado neste dia, quando terminar o meu turno, e depois acabou.

* Atingir marcas nos básicos

- Em vez de reinventar a roda, vou pegar num plano que já muita gente seguiu e que já funcionou também para muitos: o Starting Strength. Para começar parece-me a melhor abordagem, quando vir que já não estou a tirar proveito do plano, logo se vê (o próprio plano contém modificações a contar com esta eventualidade).

* Marcar consulta de ginecologia

- Reservo esta para o início de 2016... Antes de Fevereiro!

* Desenvolver para Windows 10

- Pretendo começar a dar uma vista de olhos nisto algures entre o fim de Setembro e o início de Outubro.

* Atingir os 20% de massa gorda

- Neste ponto, a caminhada começa hoje... Acima de tudo, quero comer limpo. Bem sei que o IIFYM é mais fácil e não será mais prejudicial para a saúde, alguns estudos mostram-no. Mas eu quero mesmo mudar a minha mentalidade relativamente à comida, não quero poder comer um gelado por dia se o conseguir encaixar nas macros, quero comer um gelado muito esporadicamente e com a mentalidade de ser uma excepção. Quero habituar o meu palato a comida limpa para tentar minimizar a sensação de estar a fazer dieta e a tentação de mandar a mesma às urtigas e enfardar porcaria, porque sabe bem melhor. Quero que a fruta saiba a sobremesa!
Além de que estou fartinha de contas e tenho alguma fé que, comendo limpo, estas sejam desnecessárias (vou começar dessa forma, sem contar, depois se não estiver a resultar logo conto, para perceber o que falha).
Vou fazer a minha minha alimentação com base nalguma "versão modificada" de paleo ou na original mesmo, ainda não sei... Estou a explorar e o dia de hoje vai servir mesmo para isso, tentar estabelecer algumas regras, recordar um pouco o que já li e os argumentos associados, e encontrar um equilíbrio entre os benefícios de cada versão e aquilo que me parece que eu consiga manter.
>> EDITADO: Depois de alguma investigação, optei pela versão do Primal Blueprint (Mark Sisson).


* Correr 10 km em menos de uma hora

- Vou introduzir algum cardio. As caminhadas vão estar no dia a dia, nos dias de treino de força, se tiver tempo e aguentar, vou tentar introduzir algum hiit, e como pretendo treinar 3ª, 5ª e Sábado, no Domingo vou tentar introduzir alguma corrida. O objectivo também não é exactamente difícil, pelo que penso que o descrito seja suficiente.

* Restantes objectivos

- Estou convencida de que serão consequência directa dos anteriores. Vou controlando!

Agora vamos às leituras e à lista de compras... :)

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

A hora má: o veneno da madrugada

Last but not least, terminei hoje A hora má: o veneno da madrugada, de Gabriel García Márquez.

Quanto a este, não há muito a dizer, ainda estou para ler o primeiro livro deste autor que não goste.

Como é habitual, um cruzamento entre a narrativa crua de acontecimentos e o significado subjacente em cada palavra trocada entre as personagens, mais ou menos directo.

Numa terreola da América do Sul em que ninguém acredita na mudança trazida pela última revolução, e precisamente por isto, poucos expressam abertamente a sua descrença, começam a ser afixados, diariamente, pasquins que denunciam situações que já correm as bocas do mundo, mas que parece que ficam oficializadas no momento em que são escritas por autores anónimos e afixadas nas portas das vítimas.

O que parece ser o tema central da trama, acaba por ser absolutamente secundário e, quando muito, uma excelente desculpa para servir outros interesses e provar que a população estava certa o tempo todo.

Um final que me deixou a magicar mas que ainda não tive oportunidade pra investigar de forma mais aprofundada, não foi nem de perto suficiente para diminuir o meu sentimento em relação à obra.

Recomendo!